Rubem Fonseca

Meu primeiro contato com a obra de Rubem Fonseca foi através do conto “A Santa de Schöneberg”, do livro Romance Negro e Outras Histórias. Corria o ano de 2005 e eu era um estudante do primeiro período de Comunicação Social, empolgado com as novas descobertas que a Universidade me proporcionava. A leitura desse conto foi uma delas, que aconteceu em função de um trabalho. Li e me apaixonei, com direito a todos sentimentos que da paixão derivam: pensei na história por semanas e não conseguia deixar de reler alguns trechos; buscava caminhos e criava em minha cabeça narrativas paralelas; pesquisava datas, locais descritos, personagens. Aquela atmosfera tomou conta de mim, do meu imaginário, do meu ócio criativo. Um tempo depois de todo o furor, senti que precisava de mais daquela linha narrativa, daqueles personagens tão admiráveis e reais. Eu precisava mais de Rubem Fonseca.

Daí para frente foram mais uns 30 contos lidos, 5 livros, algumas lágrimas, algumas risadas e um permanente espanto com a maestria desse escritor que me premiou com suas palavras. Me afundei na atmosfera essencialmente urbana e policial de suas histórias, contadas por personagens que tinha a impressão de ver, todos os dias, nas esquinas das ruas do centro da cidade. Não é uma literatura gostosa de ler, não é entretenimento, ler Rubem Fonseca exige envolvimento, exige mudança, dá gastura. Tudo isso porque é arte que precisa de diálogo. Afinal, quem lê “A arte de caminhar pelas ruas do Rio de Janeiro” e não refaz, in loco, o mesmo caminho pelo centro do Rio, não vive toda a história. Da mesma forma que ler “A Santa de Schöneberg” sem conhecer – nem que seja um pouco – a obra de Egon Schiele, trará um entendimento incompleto e sem toda a grandeza necessária para se impressionar. É uma literatura que exige referências, que te dá a chance de se conectar, de fato, com sua atmosfera. É como eu disse, não é entretenimento. É arte.

Fica aqui um trecho de Lúcia McCartney, minha personagem favorita:
 
“Abro o olho: Isa, bandeja,torrada, banana, café, leite, manteiga. Fico espreguiçando. Isa quer que eu coma. Quer que eu deite cedo. Pensa que sou criança.
Depois que o marido da Isa foi embora ela ficou me marcando ainda mais. Isa diz que ele volta, mas eu duvido. Primeiro, ela não era casada com o marido dela. Segundo, acho que eles não se gostavam muito: Isa de vez em quando fazia programa, e ele sumia durante dias. Acho que agora sumiu de vez. Isa espera que o marido volte, a qualquer momento. As camisas dele estão todas passadinhas na cômoda e ela mandou consertar o binóculo, o cara era doido por jóquei. Ela não sai mais de casa, nem prum programa barra limpa, mas até agora, nada.”
 
 
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s